Glossário Educação Financeira – 03

CDB

Certificado de Depósito Bancário. É um título de captação de recursos do setor privado, cujas taxas são expressas em % ao ano. Modalidade de aplicação que pode render tanto uma taxa de juros fixa quanto variável, dependendo da forma como foi negociada.

 

CDI

Certificado de Depósito Interbancário. São os títulos de emissão das instituições financeiras que lastreiam as operações do mercado interbancário e têm características semelhantes às do CDB, mas sua negociação é restrita ao mercado interbancário.

 

Comissão de Valores MobiliárioS (CVM)

Órgão normativo do sistema financeiro, especificamente voltado para o desenvolvimento, a disciplina e a fiscalização do mercado de valores mobiliários não emitidos pelo Sistema Financeiro e pelo Tesouro Nacional, basicamente o mercado de ações e debêntures. Tem a função de representar os interesses das Bolsas de Valores do País perante as autoridades monetárias e reguladoras do mercado.

 

COPOM

Comitê de Política Monetária do Banco Central. Estabelece as diretrizes da política monetária e define a taxa de juros. Sua criação buscou proporcionar maior transparência e ritual adequado ao processo decisório.

 

Corretagem

Taxa de remuneração de um intermediário financeiro na compra ou venda de títulos.

 

Clube de Investimento

Condomínio constituído por Pessoas Físicas para aplicação de recursos comuns em títulos e valores mobiliários. É registrado em uma Bolsa de Valores e possui um estatuto próprio. Para formar um clube de investimento, deve-se ter no máximo 50 participantes. Um único participante não pode ter mais de 40% do total das cotas.

 

Dólar Comercial

Taxa de câmbio utilizada nas operações comerciais do País, como no pagamento da dívida externa e nas remessas de dividendos das empresas com sede no exterior.

 

Dólar Flutuante

Taxa de câmbio utilizada nas principais operações financeiras e na conversão de dólares de residentes. O mesmo que dólar turismo.

 

Dólar Futuro

Cotação esperada pelo mercado para o valor do dólar, no mercado futuro.

Fundo de Renda Fixa

Também usado como sinônimo de Fundo de Investimento Financeiro (FIF). Um Fundo de Renda Fixa pode ter até 49% de sua carteira composta por ações, mas basicamente é aplicada em CDBs, RDBs, debêntures e títulos públicos federais.

 

Fundo de Renda Variável

Designação genérica para fundos do tipo Fundo de Ações e Fundo de Ações – Carteira Livre.

 

Fundos de Investimento

É a comunhão de recursos individuais de Pessoas Físicas ou Jurídicas, sob a forma de condomínio aberto, sem limite máximo de participantes, administrado com a finalidade de aplicar esses recursos no mercado e rentabilizar o capital de cada investidor (cotista).

 

Fundos de Multimercados

Fundos que fazem operações de ativos e derivativos ligados ao mercado de renda variável, montando posições compradas e vendidas, com o objetivo de manter a exposição neutra ao risco do mercado acionário.

 

Horizonte de investimento

É o tempo em que o investidor pretende manter o ativo, real ou financeiro, que comprou. Se o investidor tem horizonte de longo prazo, não deveria se preocupar com o sobe e desce de cotações no curto prazo. Ao mesmo tempo, se o investidor pretende resgatar o dinheiro no curto prazo, é mais recomendável investir em produtos com menores oscilações.

 

Liquidez

Disponibilidade em moeda corrente ou posse de títulos ou valores e bens conversíveis rapidamente em dinheiro. Varia conforme o investimento e a conjuntura econômica. O papel-moeda (dinheiro) é o que apresenta liquidez absoluta.

 

Pós-fixada (Taxa/Juros)

Utilizada para condições de investimentos, sendo os valores do rendimento conhecidos na época do vencimento das aplicações.

 

Perfil de Risco

Termo utilizado para determinar qual a disposição de um investidor para correr riscos ao aplicar seu dinheiro. Pode ser: conservador, moderado ou agressivo.

 

Pré-fixado

O contrário do pós-fixado, uma aplicação pré-fixada tem a sua rentabilidade conhecida a priori. O investidor já sabe, ao fazer a aplicação, o valor em percentual da rentabilidade a ser recebida.

Fontes: Sites Meu Bolso em Dia, Finanças Femininas, Santander, Finanças Práticas, Como investir, Serasa e Anab Brasil

Publicado em 20 de setembro de 2013

Deixe seu comentário

- O seu endereço de email não será publicado
- Campos Obrigatórios são marcados com *